A MÁQUINA DE DESENHAR de Michel Groisman

A Máquina de Desenhar é uma traquitana mirabolante que serve para criar pinturas coletivas. A cada vez oito pessoas do público são convidadas a usar esta estranha engenhoca puxando cordas e abrindo e fechando o registro das diferentes cores, fazendo surgir uma pintura inesperada, fruto da interação dos diferentes autores.

Esta estranha máquina tem as medidas de 2 x 2 x 2 metros, e é composta por uma estrutura conectada à cordas, roldanas, rolamentos e eixos móveis, com garrafas de tinta e mangueiras. Quatro pessoas controlam o movimento do pincel, enquanto outras quatro controlam o fluir das cores. As pinturas resultantes são ofertadas aos próprios participantes, e então outras oito pessoas são convidadas a tomar posto na Máquina para realizar novas pinturas.

A cada dia de atividade a Máquina de Desenhar fica disponível ao público durante algumas horas, durante as quais diversas pessoas têm a oportunidade de utilizá-la com o acompanhamento do artista Michel Groisman, inventor da Máquina.

A atividade com a Máquina de Desenhar abrange tanto um publico interessado em arte de vanguarda como um público leigo, mostrando que a arte contemporânea pode ser lúdica, experimental, sensorial e acessível a todos. Brincando de pintar com a Máquina, cada um tem a possibilidade de reconhecer a sua potencialidade criativa e a potencialidade do outro enquanto parceiro de criação, já que os desenhos são criados em conjunto.

 

MICHEL GROISMAN é artista, inventor e performer; desenvolve desde 1999 um trabalho que integra arte visual, dança e jogo, criando equipamentos para serem utilizados com o corpo. Recebeu o apoio das bolsas de pesquisa: Rioarte (2004), Vitae (2002) e Uniarte da Faperj (2000), Programa Rumos Artes Visuais (1999), Rumos Dança (2009), e Prêmio Funarte Klauss Vianna 2014. Seu trabalho vem sendo mostrado em museus e festivais, como: MoMA (New York, 2014), Festival Temps D’Image (Paris, 2012); Worlds Together Conference, Tate Modern (Londres, 2012); Lig Art Hall (Coreia do Sul, 2012); PS 122 (NY, 2011); 29a Bienal de São Paulo (2010); Centro de Arte Reina Sofia (Madrid, 2008); Festival In Transit (Berlim, 2001 e 2006); Ikon Gallery (Birmingham, Inglaterra, 2006); Don’t Call It Performance, El Museo Del Barrio (NY, 2004); Festival de La Batiê (Geneva, 2002); Tempo, MOMA de New York (2001); II Bienal de Lima (Peru, 2000); Encontros Acarte (Lisboa, 2000); e Panorama da Arte Brasileira do MAM-SP (1999), entre outros. Michel começou a desenvolver equipamentos corporais no período em que frequentou a faculdade de música, onde se formou como professor. Foi nesta época que descobriu que poderia inventar novos instrumentos, e que estes não precisavam ser musicais, poderiam ser instrumentos que servissem para uma auto-investigação de si mesmo e para a interação com o outro.

A MÁQUINA DE DESENHAR
Dia 20 de Fevereiro de 2016, sábado, às 17h.
Entrada gratuita
Classificação Livre
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s